quinta-feira, 19 de setembro de 2013

Resenha de Inferno, de Dan Brown

Um dos últimos livros que eu adquiri, e um dos que eu estava mais ansioso pelo lançamento era Inferno, mais uma aventura do simbologista Robert Langdon segundo a mente de Dan Brown. Estava ansioso por este primeiro pelo nome, quem conhece minha obra sabe o quanto eu escrevo sobre ocultismo, Céu e Inferno, apesar de não acreditar em nada disso. Segundo, Dan Brown escreve bem demais, é uma das minhas grandes influências literárias.

Sinopse Oficial: Neste fascinante thriller, Dan Brown retoma a mistura magistral de história, arte, códigos e símbolos que o consagrou em "O Código Da Vinci", "Anjos e Demônios" e "O Símbolo Perdido" e faz de Inferno sua aposta mais alta até o momento.

No coração da Itália, Robert Langdon, o professor de Simbologia de Harvard, é arrastado para um mundo angustiante centrado numa das obras literárias mais duradouras e misteriosas da história: O Inferno, de Dante Alighieri.

Numa corrida contra o tempo, ele luta contra um adversário assustador e enfrenta um enigma engenhoso que o leva para uma clássica paisagem de arte, passagens secretas e ciência futurística. Tendo como pano de fundo poema de Dante, e mergulha numa caçada frenética para encontrar respostas e decidir em quem confiar, antes que o mundo que conhecemos seja destruído.

Minhas impressões: Inferno é típico de Brown, uma obra agitada, sem nenhum momento de tranquilidade para os protagonistas desde que a ação começa. E a reviravolta final deste é mais surpreendente do que se imagina, diferente de qualquer obra que o autor tenha escrito. A influência de Dante Aligheri na trama ficou bem bolada, embora eu ache que pudesse ser melhor.

Ponto positivo: A reviravolta final, como já foi citado.

Ponto negativo: Como também já foi citado, a influência da Divina Comédia na trama e mistério que Langdon tem que resolver poderia ser maior.

Recomendo? Sim, claro, pare o que está fazendo e leia já!