quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Os Lobisomens

Introdução
Os lobisomens, assim como os vampiros, são igualmente perigosos. Mas diferente deles, a missão dos lobisomens é defender a Terra e a natureza, seja dos vampiros ou até mesmo dos humanos. São pessoas que, após passar por um ritual mágico específico, são capazes de se transformar em lobos, ou na forma intermediária, uma criatura de pelo menos dois metros e meio de altura, metade homem, metade lobo, uma máquina de guerra com presas e garras afiadas, capaz de causar destruição por onde passa. Desde a aurora da civilização, vampiros e lobisomens tem estado em guerra constante.

Nascimento
Ao contrário dos vampiros, nem todo mundo pode se transformar em lobisomem. O gene responsável pela licantropia é hereditário, passado de pais para filhos geneticamente. Uma criança com pai lobisomem e mãe humana, ou vice-versa, tem 50% de chances de ter ou não o gene. Crianças com pais lobisomens com certeza nasceram com os genes. Apesar do que aparenta, os lobisomens são raros hoje em dia. Estão sempre na mira de vampiros e caçadores, e grande parte da população mundial nem sabe que possui o gene.

O ritual de transformação trata-se de um feitiço antigo, passado por gerações e adaptado de acordo com a civilização e etnia de origem. Quando chegam na puberdade, os genes da licantropia já estão em condições de se manifestar. O jovem lobisomem é então levado para um lugar que tenha grande energia da natureza, locais geralmente de mata intocada, o que é muito raro na segunda metade do século XXI. O ritual de liberação dos poderes, como já dito, varia de grupo para grupo, de tradição para tradição, e envolve desde cânticos em línguas mortas, consumo de poções a sacrifícios de sangue. Após o ritual, o jovem lobisomem transforma-se toda vez que seus sentimentos ficam mais fortes. Raiva, alegria, medo, tensão, tudo isso causa uma transformação involuntária. Ele então passa um período de treinamento, que pode durar meses ou anos, para poder controlar esses sentimentos e a transformação. O treinamento pode ser aplicado por qualquer lobisomem mais velho, mas geralmente fica a cargo da alcateia da qual ele irá fazer parte no futuro.
Contatos mágicos não previstos podem também ocasionar uma transformação, em pessoas que não conhecem sua herança lupina. Rituais verdadeiros de feitiçaria, mordidas ou arranhões de criaturas sobrenaturais, possessões demoníacas podem acordar um lobisomem, e quando isso acontece, a alcateia mais próxima se encarrega de resgatar o lobo em questão e lhe aplicar o treinamento para controle, antes que ele cause destruição na comunidade e revele sua natureza para o mundo. Ou, na maioria dos casos, esse lobisomem é capturado é morto pelos vampiros, presentes em quase todo o globo.

Na forma humana, lobisomens se passam por pessoas normais, sem nenhuma característica especial. Apenas possuem grande resistência física e expectativa de vida maior, podendo chegar naturalmente aos cento e vinte anos, mas eles envelhecem normalmente, como qualquer humano. Na forma de lobo, eles são idênticos aos animais comuns, com características físicas de acordo com seus antepassados, variando de raças, como o cinzento, ibérico, iraniano, etíope, ocidental, vermelho e o raríssimo guará. E na forma de batalha, a de lobisomem, eles mantêm a pelagem característica de lobo, mas se transformam em monstros com mais de dois metros e meio de altura, massa corporal musculosa de mais de trezentos quilos, garras de mais de três centímetros e presas afiadas e poderosas. Além disso, possuem vários outros poderes, que são comuns em alguns casos, e únicos em outros.