sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Lobisomens: Poderes, fraquezas, lendas e organização

Poderes
Mesmo antes de se transformarem, pessoas com herança lobisomem já se mostram diferenciadas. Raramente adoecem, possuem boa constituição física, força, velocidade e sentidos bem apurados. Após a transformação, esses poderes aumentam, de acordo com a forma em que estejam.

Lobisomens possuem fator de cura acelerado. Lembra do Wolverine dos X-Men e da Claire do Heroes? Na forma de batalha, lobisomens são bem parecidos. Ferimentos comuns, cortes, ossos quebrados e contusões são curados em questões de segundos, dependendo da gravidade do ferimento. Isso não inclui queimaduras graves, decapitações, amputações de membros ou golpes graves no coração. Ferimentos com prata funcionam como ferimentos comuns em humanos. Na forma humana ou de lobo, o fator de cura é acelerado, porém em uma velocidade bem menor, curando ferimentos em poucas horas ou dias, dependendo da gravidade.
Lobisomens tem sentidos hiper aguçados. Isso funciona em qualquer forma. Os cinco sentidos dos lobisomens são muito mais apurados que de uma pessoa comum, mais até que os dos próprios lobos. Se não aprenderem a controlar a percepção, eles podem ficar desorientados em certas situações. Além disso, eles possuem um sexto sentido, que é a capacidade de ler e identificar a aura de outros seres, sobrenaturais ou não.
Lobisomens podem usar magia. Não tão poderosas quanto a dos magos, os lobisomens podem realizar rituais e feitiços baseados em seu elemento natural, desde que estudem e aprendam corretamente. O elemento natural de cada um é de acordo com o signo de nascimento do indivíduo. Nascidos em Áries, Leão e Sagitário são do elemento fogo; Touro, Virgem e Capricórnio são da terra, Gêmeos, Libra e Aquário são do ar, e Câncer, Escorpião e Peixes, são do elemento água. Rumores dizem que os amaldiçoados Vrykolakas podem ainda realizar feitiços e rituais com o elemento trevas.

Fraquezas
Mesmo com poderes em comum e alguns diferenciados, as fraquezas de um lobisomem, a exemplo dos vampiros, são iguais para todos eles. Essas fraquezas são fatais, na maioria dos casos, se bem exploradas pelos inimigos.
Alergia à prata. Na forma humana e lupina, a prata age como um inibidor de poderes em um lobisomem. O contato com ele, ou mesmo sua presença em grande quantidade, impede que eles se transformem ou usem seus poderes, e fazem com que eles percam suas forças gradativamente. Por isso, muitos lobisomens são presos com algemas e correntes de prata. Na forma de batalha, o toque da prata tem o mesmo efeito dos vampiros, causando queimaduras e dores.
Código de Honra. Por serem seres protetores da natureza e guerreiros honrados, todos os lobisomens são presos pela palavra dada. Quando fazem um juramento, pacto ou assinam um contrato, eles são impedidos de quebrarem. Esse efeito é místico, e por mais que tentem, nunca conseguirão manchar sua honra. Um lobisomem também sempre irá proteger um ser inocente e mais fraco e nunca irá permitir que a natureza seja depredada. Dizem que os Vrykolakas conseguiram anular essa fraqueza, o que os torna mais abomináveis aos olhos dos outros lobos.

Fúria incontrolável. Apesar de treinarem para controlarem a transformação, em algumas situações, nem o lobisomem mais zen consegue ficar calmo. Se muito ferido ou provocado, o lobisomem entra em um frenesi incontrolável, destruindo à tudo e à todos ao seu redor, até que o objeto ou inimigo esteja totalmente aniquilado.
Vulnerabilidade à magia oposta. Quando combatem entre si, ou contra feiticeiros ou magos, o lobisomem é vulnerável à ataques, rituais ou feitiços realizados com elementos opostos ao seu natural. Sendo assim, água é vulnerável ao fogo, ar é vulnerável à terra e vice-versa.

Lendas
Transformação apenas na lua cheia. Lenda com um fundo de verdade. Na lua cheia, lobisomens podem se transformar à vontade e usar plenos poderes. Em outras fases ou durante o dia, a transformação pode ocorrer, mas ela é bem limitada em tempo, de acordo com a distância da lua cheia, e o gasto de aura é enorme.
Pêlos nas mãos. Lenda sem fundamento.
Pentagrama na palma da mão. Mito, apesar de alguns lobisomens, quando capturados por vampiros, são marcados com pentagramas de prata na palma da mão, para serem identificados, tanto por outros vampiros como por caçadores.

Mordida contagiosa. Como já foi dito, um lobisomem nasce assim, não é transformado por mordida. Uma mordida ou arranhão de lobisomem em uma pessoa comum apenas irá se tornar um ferimento muito feio, se não for fatal.
Sétimo filho depois de seis filhas. Outra lenda. Se um homem, após sete irmãs, se tornar lobisomem, é provável que as irmãs e os pais também sejam, mas isso não é condicional.

Organização

A organização dos lobisomens é bem simples. É uma união entre o modo de vida dos lobos, aliados à sociedade humana. Os lobisomens se organizam em grupos denominados alcatéias. O número de membros na alcatéia é variável, e vai desde menos de dez à dezenas. Cada alcatéia é liderada por um lobo alfa, que dita as regras e comanda os outros lobisomens. Em alguns casos, principalmente nos lobos urbanos, uma alcatéia se divide em sub-alcatéias, lideradas por betas, que são auxiliares diretos dos alfas. O membro mais novo, normalmente o lobisomem jovem em treinamento, é chamado de ômega. Apesar disso, os lobisomens, a exemplo dos vampiros, se dividem em três organizações, que são muito semelhantes entre si.