sábado, 9 de novembro de 2013

Livros baseados em games, uma nova tendência

Hoje, passeado por uma simplória feira do livro na cidade onde resido atualmente (São Borja, interior gaúcho), vejo em uma banca de uma livraria dois livros, God of War e God of War II, ambos baseados na série de games para Play Station de mesmo nome. Eu já sabia que existiam livros baseados em games de sucesso, mas não imaginava que havia chegado a tal ponto. Tal fato reforça apenas uma verdade defendida por mim e pela maioria da militância nerd: há muito os jogos eletrônicos deixaram de ser coisa de criança.

God of War não é o primeiro. Já existem livros de Assassins Creed, Battlefield e World of Warcraft, todos sucessos de vendas para PC's e consoles. Mais do que diversões eletrônicas, os games de hoje em dia possuem histórias e enredos densos dignos de fazer frente a Tolkien e Martin. Quem é da velha guarda do SNes e PSOne e jogou Final Fantasy, principalmente do VI em diante, sabe que as histórias dos jogos são complexas e bem elaboradas, cheias de romance, intriga, drama e emoção. Levando para o lado Fanboy, se uma série de livros sobre Final Fantasy VII fosse lançada, seria sucesso absoluto de vendas, tão bem feita é sua história e tão densos são seus personagens, principalmente o vilão, o temível Sephiroth.

Como bom leitor que sou, desembolsei uma grana e comprei os dois volumes, e em breve farei uma resenha sobre o título, mas desde já me sinto vitorioso em fazer parte de uma geração que, desde de criança, acredita no potencial dos games e os considera praticamente como a 8º arte.